Marketing de Moda: veja agora e compre já

Estratégia de marketing de moda na era see-now buy-now – veja agora e compre já!

O que vê agora, agora compre, significa o que no agora para o marketing de moda?

Hoje o marketing para o mercado de moda é algo inevitável para sua estratégia de marca.

Quando Lotta Volkova, estilista de moda da fama Vetements, perguntou-se quem na indústria da moda está no poder hoje, ela simplesmente respondeu: o consumidor. Não é o CEO, o editor, o jornalista ou o crítico de moda. O consumidor. Eu Neto, sempre acreditei e faço todo meu trabalho baseado na era do consumidor.

Dos mais de 152 designers que apresentam coleções na semana da moda, já 10% estão fazendo isso de já oferecer a sua coleção na maneira agora ver – agora compra.

No ciclo de moda antigo, as roupas eram mostradas antes de serem produzidas. Havia uma lacuna de seis meses entre as coleções de design e do seu debutamento na passarela e no seu varejo. As coleções masculinas e femininas eram exibidas separadamente.

No novo modelo direto ao consumidor, as coleções estão disponíveis imediatamente após serem mostradas, e roupas masculinas e femininas são apresentadas simultaneamente. Os testes de passarela ocorrem no final do processo de produção (e não antes disso).

Os consumidores podem ter uma relação direta com marcas de moda, sem precisar mais da mídia de imprensa de longa duração, editores de revistas, máquinas de RP e distribuidores de varejo. Assim como a Calvin Klein faz, nada vem entre eles e suas escolhas de moda.

Essa desintermediação foi possível graças à tecnologia digital e à sua imediação, transparência, capacidade de resposta e gratificação instantânea. Os pesos pesados ​​da moda como Burberry, Tom Ford, Ralph Lauren, Proenza Schouler e Tommy Hilfiger foram rápidos em entender que as expectativas dos clientes são moldadas e formadas fora de sua indústria e que, para permanecerem relevantes, eles precisam se juntar ao jogo centrado no cliente.

O modelo de marketing de moda construído em torno de induzir o desejo, criar antecipação e inspirar sonhos pode perder relevância mais rapidamente nos dias de hoje do que a tendência do denim do ano passado.

Resta saber o que substituirá este formato de marketing para quem estava mais do que acostumado com o padrão o qual já falamos aqui. Apesar do hype atual, ninguém sabe se o modelo Now – Agora – irá excitar os consumidores o suficiente para se tornarem um driver direto para as vendas. Uma vez que a novidade do formato desaparece, os consumidores podem decidir que é hora de mudar para algo novo, deixando as marcas de moda exauridas criativamente e mergulhadas no ciclo de produção e distribuição desconhecido e exaustivo.

Mas esta é a beleza do centrismo do cliente: confiar no que o público da moda pode descobrir, sem que os editores digam o que gostar e sem marcas alegando que os consumidores não sabem o que querem até que mostrem isso. À medida que a indústria muda de “prometa, entregue mais tarde” para “entregar agora, prometa depois”

O marketing de moda precisa quebrar o molde ao contar suas marcas e histórias de produtos e abraçar a criatividade, o teste e a aprendizagem e a experimentação.

Os shows de moda provavelmente se tornarão ainda maiores e mais assuntos de marketing e vendas em massa acontecerão, com o objetivo de explorar as carteiras dos consumidores enquanto eles estação alucinados pelos itens nunca vistos.

Então há zumbido, há publicidade em tempo real. Isso inclui uma reviravolta mais rápida para spreads de revistas e editorial de moda, que precisarão refletir sobre as ofertas das passarelas na velocidade das histórias do Instagram. Sem o seu papel tradicional de dizer aos consumidores o que pensar, usar e usar, as revistas e as marcas devem aproveitar as oportunidades de publicidade digital exclusiva, girando em torno de táticas de marketing diretas e de desempenho, criando leads de compra e gerando dados do consumidor para futuras atividades de marketing direto e CRM.

A publicidade social acompanha as imagens de produtos das passarelas apenas mostradas com atendimento claro e imediato à ação, direcionando o tráfego para o site da marca e / ou as páginas dos produtos e nas suas mídias sociais.

Para atrair a audiência nas lojas e para seus sites, as mídias sociais e os conteúdos têm como objetivo dominar a arte da provocação, o que leva os consumidores a fazer compras abertas.

Talvez eu seja mais adequado para construir uma provocação de moda do que qualquer meio antes (pense na emoção e novidade de Instagram ou Snapchat).

A oportunidade de provocar a costura, os detalhes do produto, as colagens e esboços que inspiraram a coleção, até o funcionamento por trás das cenas é incomparável. Igualmente incomparável é o potencial para um ciclo criativo de lançamento de produtos.

Liberadas do calendário da moda, as marcas são capazes de provocar os produtos de forma a alimentar o interesse dos consumidores e liberar itens de forma gradual, o que deixa a audiência desejando mais e mais e continuando a voltar.

A interação do consumidor com o conteúdo e as ações sociais é um indicador da intenção precoce e serve tanto para a coleta de informações de dados quanto para a construção de uma relação de clientes de longo prazo. A participação no relacionamento a longo prazo do cliente marca uma mudança do que os compradores estão pedindo para o que os consumidores estão comprando e falando.

Para realmente possuí-los, as marcas de moda precisam investir muito mais em seus departamentos de marketing. Saber quem são seus consumidores, onde eles vivem, o que eles gostam, como eles gastam seu tempo, o que os inspiram e o estilo de vida que eles lideram, podem vir apenas de uma pesquisa de mercado inteligente, profunda e sempre (e não, eu não quero dizer pesquisas IBOPE).

A escuta social, a etnografia digital, a observação, o monitoramento de conteúdos, as interações sociais, os testes e a aprendizagem vão dar aos designers uma sensação das vibrações do desejo dos consumidores.

Outra coisa que vai diminuir: a confiança de marcas de moda sendo atacadistas para contarem as suas histórias. Com a mudança direta para o consumidor, elas terão que usar seus próprios desfiles, lojas, comércio eletrônico e mídias sociais para colocar sua visão e mensagem para a frente.

Até agora, esta mensagem é melhor resumida nas palavras de Alber Elbaz : “Quando há um vento de mudança, podemos construir uma parede para nos proteger da tempestade ou podemos construir um moinho de vento para deixar o vento soprar mais rápido, para que possamos nos beneficiar com o vento e ser parte da mudança”. Deixe então os moinhos de vento mostrarem o caminho.

Vamos construir sua marca de moda com um marketing autêntico, vibrante e que seduza cada vez mais um público que quer novidades e serem impactados!

Obrigado pela sua leitura e carinho, compartilhe, curta, comente, e conecte, você é importante aqui sempre ;0)

Growth-se ;0)

Este trabalho só é possível, pois você existe ;0) #growthhacker