6 cases de sucesso de Growth Hacking

Growth-se ;0)

Cada empresa de sucesso tem uma base de usuários crescente e receitas crescentes em seu núcleo. O growth hacking é responsável por impulsionar muitas dessas empresas para o próximo nível e ajudar a melhorar seu sucesso.

Empresas como Twitter, Facebook e Quora trouxeram especialistas para ajudá-los a hackear seu crescimento e atribuem muito de seu sucesso a estratégias de growth hack.

Essencialmente, growth hacking é o conceito por trás do marketing de produto de alto impacto. Os growth hackers entram em uma empresa e tentam todas as táticas de marketing em potencial e o máximo de ideias possível para otimizar o crescimento. Se algo não funcionar, é descartado e as coisas que funcionam são aprimoradas. Envolve pensar sobre as minúcias e o quadro geral, e levar as ideias desde a concepção até a fruição. Quando feito corretamente, ele combina a quantidade certa de habilidades de marketing tradicional com habilidades de desenvolvimento de produto.

O growth hacking visa ajudar as empresas a parar de desperdiçar dinheiro valioso em esquemas de marketing que simplesmente não funcionam. É um negócio complicado hoje em dia. As táticas de marketing variam muito entre os setores e públicos, e as estratégias que têm sucesso com um grupo irão falhar com outros. Sem adquirir e reter consistentemente mais usuários, a empresa terá dificuldade em se manter à tona. O growth hacking apresenta maneiras únicas e criativas de descobrir que tipos de esforços de marketing são mais eficazes do que outros, criando um novo modelo de negócios que realmente oferece.

Portanto, esses são os princípios básicos do growth hacking. Mas para entendê-lo melhor, é bom dar uma olhada nas empresas que tiveram sucesso em usá-lo e como foi sua experiência. Existem dezenas de ótimos exemplos, mas vamos examinar seis empresas específicas que usaram o growth hacking de maneiras interessantes para garantir seu sucesso.

Twitter

Um dos melhores exemplos de growth hacking é a história do Twitter. Twitter é basicamente um nome familiar neste momento. Todo mundo usa e, se não o fizerem, ainda saberão exatamente o que é e provavelmente já leram os tweets de outras pessoas. Quando o Twitter começou, teve muita publicidade rápida. As pessoas estavam se inscrevendo aos milhares e compartilhando com seus amigos via blogs e redes sociais.

Mas o uso contínuo do produto ao longo do tempo não era permanente. Parecia que o Twitter tinha um grande público que se inscreveu em uma conta, brincou por alguns dias e nunca mais se conectou. Em vez de seguir em frente com os esforços tradicionais de marketing ou tentar persuadir seus usuários a voltar com ofertas especiais e outras coisas, a empresa decidiu investir no próprio produto.

Ele começou a realizar testes detalhados sobre a experiência do usuário e a interface e, em seguida, reconstruiu todo o sistema com base nas informações coletadas dos testes. O Twitter aprendeu várias coisas sobre seus usuários, como o fato de que, se os usuários selecionassem de 5 a 10 contas para seguir em seu primeiro dia no Twitter, seria muito mais provável que se tornassem usuários de longo prazo. Isso ocorre porque, depois de selecionar as contas de seu interesse, você investe mais em sua conta.

Usuários que fizeram login, mas não interagiram com ninguém, fizeram logoff sem encontrar o valor na rede. O Twitter continuou a fazer mudanças em seu sistema para ajudar os usuários a acessar imediatamente o valor pessoal em sua conta do Twitter e rapidamente teve um aumento dramático no sucesso.

Facebook

O Facebook é outra das maiores histórias de sucesso do mundo empresarial. Seu método era um pouco diferente. Ele não queria contratar especialistas, mas, em vez disso, contratou um grupo de pessoas realmente inteligentes que abordaram o problema de um ângulo diferente.

No início, a empresa enfrentou muitos obstáculos; não estava adquirindo usuários tão rapidamente quanto esperava, e as metas estabelecidas (em um ponto a meta era adquirir 200 milhões de usuários em 12 meses) pareciam irrealistas. O Facebook conseguiu fazer isso, no entanto, com uma série de técnicas de growth hacking. O primeiro hack foi distribuir emblemas e widgets incorporáveis ​​que os usuários podiam postar em seus sites e blogs, vinculando as pessoas de volta à sua página no Facebook. Só isso já levou a milhões de inscrições. Outro truque era comprar provedores de serviços em países em desenvolvimento. Essa mudança confundiu muitos especialistas em negócios, mas descobriu-se que o Facebook adquiriu essas empresas por sua tecnologia na obtenção de endereços de e-mail.

O pensamento criativo por trás de growth hacks como esse é o que ajudou a impulsionar a empresa em um momento de necessidade. Outro growth hack foi adquirir usuários altamente desejáveis ​​com campanhas de publicidade criativas que o Facebook não divulgará completamente. Por meio de estratégias criativas, conseguiu fazer com que pessoas influentes se inscrevessem no Facebook e aumentasse muito seu alcance e audiência.

Quora

O Quora basicamente começou seu growth hacking executando dezenas de experimentos muito rapidamente que imediatamente começaram a produzir resultados. Ele foi capaz de adotar essa abordagem elaborada e entusiasta porque os desenvolvedores e fundadores permitiram que os growth hackers funcionassem a todo vapor e puderam respaldar as descobertas fazendo mudanças imediatas na infraestrutura técnica. Essa capacidade de responder tão rapidamente aos relatórios sobre a experiência do usuário permitiu ao Quora ajustar o programa e otimizar a aquisição do usuário. Uma das coisas mais úteis que fez foi observar os usuários mais ativos e estudar seus padrões de comportamento.

LinkedIn

O LinkedIn cresceu de 2 milhões para 200 milhões de usuários com a implementação de uma técnica de growth hacking que permitiu aos usuários criar perfis públicos. Esta foi uma jogada brilhante da parte do LinkedIn, pois garante que os perfis dos usuários apareçam organicamente nos resultados de pesquisa. Sempre que você pesquisar o nome, empresa ou cargo de uma pessoa, é provável que um dos primeiros resultados que você verá seja um perfil do LinkedIn. Antes do LinkedIn, pesquisar seu próprio nome geralmente significava vasculhar uma série de outros resultados de pesquisa antes de encontrar uma página que realmente era sobre você, mas o LinkedIn mudou todo o jogo.

Youtube

O YouTube é, na verdade, um mecanismo de busca, por si só, e passa a ser o segundo maior mecanismo de busca do mundo, depois do Google. Começou como uma plataforma para compartilhar vídeos e cresceu de um gigante que é hoje por meio de técnicas de growth hacking. Quando você visita o YouTube para assistir a um vídeo, é imediatamente apresentado um código de incorporação que permite compartilhar o vídeo em seu blog, site ou rede social.

Isso torna extremamente fácil para os usuários enviar vídeos e compartilhá-los com o mundo. Quando os usuários entram no site para assistir a um determinado vídeo e não desejam compartilhá-lo, eles recebem outra lista de vídeos que podem atraí-los, na esperança de que compartilhem um deles. Essa é a ideia por trás de um “loop viral”, que é uma parte fundamental do growth hacking.

Airbnb

Este site facilita o aluguel de férias entre pares e se tornou um negócio de bilhões de dólares. Inicialmente, ele usou uma campanha de e-mail poderosa no primeiro estágio de growth hacking que ajudou a impulsionar o site para o próximo nível de sucesso. Mas o próximo movimento brilhante da parte do Airbnb envolveu spam no Craigslist. O Airbnb usou o Craigslist para encontrar anúncios de casas para alugar e pediu aos locatários que colocassem seus anúncios no Airbnb.

Essa manobra conquistou rapidamente milhares de usuários e a rede se tornou viral quase imediatamente. O poder de acessar outra rede já existente nunca deve ser subestimado, embora você não queira se sobrepor a uma empresa que já é competitiva com você.

Esses são alguns dos melhores exemplos de growth hacking em ação. Você pode ver a importância de multiplicar os usuários desde o início, especialmente com start ups menores que podem não ter uma grande quantidade de fundos. Não se trata de investir muito dinheiro em esforços de marketing ou de contratar uma equipe gigante de growth hackers; trata-se apenas de fazer com que pessoas inteligentes e habilidosas tenham ideias criativas e superem o medo do fracasso.

Uma grande parte do processo de growth hacking é tentar coisas que não funcionam, assim como coisas que funcionam. Você pode esperar que uma boa quantidade de suas ideias criativas falhe, mas tudo bem! Tudo faz parte do processo. Contanto que você possa reconhecer quando um esforço está falhando e desligue-o sem perder muito tempo ou dinheiro, você pode considerá-lo uma parte valiosa do processo de aprendizagem. Nenhuma das empresas discutidas aqui teria alcançado o sucesso sem sua parcela de fracassos.

Agora vamos fazer o seu case Growth Hacking?

Growth Hacker e Marketing por você ;0) #growthhacker

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.