Grandes tendências de marketing que podem transformar sua marca

Growth-se ;0)

Tendências de marketing vêm e vão, às vezes tão rapidamente (e sem piedade) quanto a maré vespertina.

Os especialistas cogitam sobre elas no início de um ano, e no meio do mesmo ano os blogueiros alegram-se com aquelas tendências que não pegaram fogo.

Não é fácil pegar a onda de uma tendência certa.

Sua empresa deveria pular no trem da propaganda do Instagram e o que aconteceu com o Snapchat como a próxima grande novidade? Talvez a realidade virtual não esteja explodindo, mas podemos não confiar em alcance da realidade aumentada? O que exatamente está acontecendo com bots e inteligência artificial? Vamos para estas questões já.

Com tudo isso dito, podemos confiar em algumas tendências de marketing de “grande ideia” que transcendem a sequência anual de produtos e serviços – principalmente porque elas funcionaram muito bem com marcas estabelecidas. Essas ideias são difíceis de medir com análises de curto prazo, talvez frustrando departamentos financeiros porque são tão psicológicas ou “meta”. Mas, de muitas maneiras, essas tendências não têm preço porque motivam profundamente os consumidores a agir. Como a pesquisa revela:

Noventa e cinco por cento de nossas decisões de compra acontecem na mente subconsciente.

Nós empregamos emoções em vez de fatos para avaliar um produto, e essas emoções influenciam nossa lealdade, confiança e intenção de comprar dessa marca.

Vamos dar uma olhada nessas noções de um grande cavalo vencedor que ajudaram a criar muitos unicórnios.

O “porquê”

A maioria das empresas segue sequencialmente o “como” como seu modelo de negócio. Em vez disso, eles devem reverter isso para o “por que” e o “o que”. Como exemplo, tanto a Apple quanto a Dell produzem os eletrônicos adequados para seu público. “Nós fazemos grandes computadores”, é o “o quê”, que a Dell adotou. A Apple, por outro lado, começou com “por quê”. Todos nós sabemos qual marca é mais popular.

O QUE É EXATAMENTE A APPLE DO “POR QUE”?

A resposta é que tudo o que a Apple faz é projetado para desafiar a cotação de status e fazer as pessoas pensarem de forma diferente. Essa mensagem principal (ou “por que”) infunde “como” e “o quê” da empresa, independentemente do produto. As pessoas compram “por que” você faz algo, não o “como” ou “o quê”.

Os consumidores querem subconscientemente uma empresa que acredita naquilo em que acreditam. Com a Apple, essa é uma geração inteira de geeks, artistas e criadores de tendências. .

A verdade é que a maioria das empresas não se preocupa com o “porquê” até chegar à estrada da marca, e as audiências geralmente sentem o cheiro de rato insincero.

Ah, ganhar dinheiro é um resultado, nunca um “porquê”, caso você esteja se perguntando.

Design Thinking

O design thinking é cada vez mais popular hoje, adotado por empresas como Google, Samsung e GE. É uma forma de estratégia visual que incorpora ativamente modelos preditivos de empatia, imagem e sucesso / falha. O design thinking vê todos os caminhos possíveis, com o ponto de partida um profundo entendimento das necessidades do público e o final sendo sucesso com uma ruptura nas suposições tradicionais.

Aqui está outro resumo do design thinking: “Design Thinking é um processo iterativo no qual procuramos entender o usuário, desafiar suposições, e redefinir problemas na tentativa de identificar estratégias alternativas e soluções que podem não ser imediatamente aparentes com o nosso nível inicial de compreensão. Ao mesmo tempo, o design thinking fornece uma abordagem baseada em soluções para resolver problemas. É uma maneira de pensar e trabalhar, bem como uma coleção de métodos práticos. ”

Design thinking quase soa como ficção científica, algo que um computador no Star Trek Enterprise poderia suportar; mas a realidade é que tem sido usada por décadas pelos militares dos EUA.

“O design thinking cria uma imagem mental de como uma operação deve se parecer, mesmo antes do planejamento real. É essa área mole da conjunção de visualização, projeção e todo tipo de pensamento criativo que a maioria das pessoas de uniforme não se sente à vontade para discutir. Não é facilmente quantificável, você vê, mas todo comandante deve ter uma imagem mental de como as operações devem ser, assim como a habilidade de transformar essa imagem mental em um plano. ”

STORYTELLING

Eu usei isso antes em artigos, mas deixe-me repetir esta frase de Seth Godin: “O marketing não é mais sobre os produtos que vendemos, mas as histórias que contamos.”

Por que contar histórias é importante? Porque as velhas formas de legado estão morrendo e uma nova geração de consumidores quer as coisas de maneira diferente. 

Vivemos em uma época em que os millennials são muito frugais e os da Geração Z são radicalmente cínicos. Propaganda robusta, ofertas atraentes e vendas sensuais simplesmente não funcionarão com esses dois dados demográficos (que em breve deterão a maioria dos cartões de crédito). Além desses dados demográficos mais jovens, a maioria dos consumidores aprendeu a ignorar o marketing invasivo e quer fazer conexões significativas com as marcas.

Além disso, o storytelling funciona: retendo70% das informações por meio de histórias.

O “porquê” ajuda a estabelecer um relacionamento entre uma marca e o público. O design thinking oferece um mapa de possibilidades que otimiza a jornada do comprador. Mas uma história precisa ser contada à medida que os consumidores querem cada vez mais produtos e serviços que proporcionem experiências e momentos que possam compartilhar com o mundo.

A narrativa eficaz deve ligar a história da marca à história do público, e como ambos estão em uma fantástica aventura de autodescoberta e apenas uma vida melhor. Isso envolve muita interação e crescimento mútuo em vários canais.

De volta à Apple novamente, podemos ver como a história mística e contracultural de Steve Jobs era relacionada com as audiências que mencionei acima (geeks, artistas e trendsetters). Como outra ilustração, podemos ver como a história do Google tentando organizar todas as informações do mundo repercute em uma população global que anseia por informações gratuitas na Internet.

Tudo isso soa como deveria estar em um filme de Tarantino e não em suas campanhas de marketing? Ao expressar sua marca, tudo o que você precisa fazer é simplesmente considerar essas dicas líderes de pensamento:

-Adicione um elemento humano à sua história de marca.

-Mantenha-se simples e universal.

-Introduza um herói com desejos não realizados, que irá atingir o objetivo graças à sua marca.

-Verifique se há uma conexão entre seus clientes e você.

-Não tenha medo de combinar elementos incompatíveis se eles forem relevantes para sua marca e sua missão.

Com uma mistura saudável dessas tendências de marketing de “grande ideia”, sua marca pode superar as muitas tendências anuais (ou aproveitá-las melhor) e fazer o que deveria: interagir direta e significativamente com o público.

Este trabalho só é possível, pois você existe ;0) #growthhacker

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.